Sobre o Blog - Pensadora Geek

Sobre o Blog

O Blog começou apenas como uma forma de eu expor alguns textos e pensamentos que eu não tinha com quem compartilhar. Porém, ele acabou se tornando mais que isso.

Como uma válvula de escape para a depressão e a ansiedade, eu me vi cada vez mais focada em trazer bons conteúdos para o Pensadora Geek, que mais que um blog, se transformou em um amigo, um diário e, principalmente, um trabalho que amo realizar.

Eu não tenho palavras para descrever o quanto tudo isso é importante, o projeto, vocês leitores, tudo é incrível, surreal e até mesmo, mágico.

Hoje, através de parcerias, vejo que consegui chegar ao nível de muitas pessoas que sempre admirei, e ver o quanto cresci, só me faz querer continuar com todo esse trabalho.

Obrigada por fazer parte de tudo isso.

Um beijo, da Ana, a Pensadora Geek. 






3 comentários:

  1. Dublagem é um de minhas grandes paixão, e o que me deixa mais feliz é conhecer os caras que dão vida aos nossos personagens favoritos, no qual já conheci alguns :D. A entrevista está 10, meus parabéns!

    Beijos,
    Cah Valeriano

    Blog Entre Filmes e Páginas

    ResponderExcluir
  2. TEMPOS DE GUERRAS.
    Cézar.
    Lembro-me
    Das árvores caídas
    Em Tempos de Guerras
    Faltavam: Comidas
    Água, vidas.
    Tinham: Inimigos
    Fogo amigo e balas perdidas.
    Prisão arbitrária.
    Lembro-me
    Que o povo era dizimado
    Em nome da raça
    Raça pura, através da eugenia.
    Do Nazismo e do racismo.
    Lembro-me
    Dos corpos cremados
    Nos campos, nos cemitérios.
    E nas câmaras de gás.
    Lembro-me
    Dos homens notáveis
    Dos homens simples
    Torturados, condenados, fuzilados e exilados.
    Desertores: Nas frentes de batalhas.
    Lembro-me.
    Que as fardas, as rosas.
    Insígnias militares e religiosas
    Já foram símbolos das guerras.
    Lembro-me
    Das guerras passadas
    Como um vácuo de tristeza
    No meu coração
    Assim, como as guerras atuais.
    Campos de refugiados
    Crianças órfãs, povo!
    Povo sem esperanças
    Sem fronteiras.
    Lembro-me
    Das florestas destruídas
    Das almas perdidas nas trincheiras
    Perambulando...
    Sem ramos nas vidas
    Raízes arrancadas
    Em nome das guerras
    Anulando as famílias.
    Lembro-me
    O povo desejava a paz
    Deseja agora
    Mas, as nações.
    Sempre dizem:
    _. Agora não
    São Tempos de Guerras.

    ResponderExcluir

SUBIR